03/04/2008

2 - Av. Comandante Paiva Couceiro

Henrique Mitchell de Paiva Couceiro, nasceu em Lisboa a 30 de Dezembro de 1861.
Oficial de cavalaria esteve nas campanhas de África em Cubango e Bié entre 1890 e 1893, foi agraciado com a Ordem da Torre e Espada em 1890. Ficou célebre na luta contra as forças de Gungunhana, foi proclamado benemérito da Pátria, em 1896.
Após a proclamação da Republica em 1910, sucederam várias contra-revoluções monárquicas com o objectivo de restaurar a Monarquia.
Henrique de Paiva Couceiro, comandou desde a Galiza onde se refugiou, duas incursões no norte de Portugal, em 1911 e 1912 tendo logrado em 1919 restaurar a Monarquia, por 25 dias entre o Minho e a linha do Vouga.
Em nome do Rei, restaurou a Carta Constitucional de 1826, o Hino e a Bandeira, sendo porém abortada esta experiência como era inevitável.
Com a implantação do Estado Novo e a subida ao poder de António de Oliveira Salazar (curiosamente também monárquico) foi preso e desterrado nas Canárias donde regressou a Portugal em 1944.
Morre em Lisboa na Av. Praia da Vitória em 11 de Fevereiro de 1944, com 83 anos.

3 comentários:

Vasco Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vasco Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vasco Ferreira disse...

Esta de chamar comandante a Paiva Couceiro é que me faz muita confusão.
Será por, enquanto tenente, ter comandado interinamente o Grupo de Batarias a Cavalo estacionado em Queluz? "Com mil raios", o homem era oficial do exército, tinha patente; ser comandante (e interino) era apenas a função, além do mais, o título de Comandante é, até onde sei, exclusivo dos oficiais superiores da Marinha (vg. Comandante Fortée Rebelo — que para além de fundador da “Brigada Naval” da “Legião Portuguesa, também é nome de um largo em Queluz).
=== Com este topónimo quem se pretendeu homenagear: a pessoa de Paiva Couceiro que os republicanos, numa tentativa de apaziguar os monárquicos, pretenderam endeusar, o militar que no 5 de Outubro de 1910, andou aos pulinhos qual “galinha tonta” de um lado para o outro sem fazer nada de geito, ou o sujeito que durante uns dias comandou interinamente o Grupo de Batarias a Cavalo?
=== Os topónimos em Queluz dizem mais sobre que detém o pelouro do que sobre os homenegeados.